Domingo, 17 Outubro de 2021
PUBLICIDADE
POLÍCIA | NAZÁRIO GO
10/02/2021 - 10:56
Sargento da PM é suspeito de atirar contra ex-mulher na cabeça
Investigado disse à Polícia Civil que tiro foi acidental, versão que a mãe da mulher contesta: "Ele já chegou espancando. A intenção já era atirar nela". Ela está internada em um hospital de Goiânia (GO).
O Âncora GO
Hugol, onde mulher está internada em Goiânia (GO). / Foto: Reprodução Paula Resende/ G1.

A Polícia Civil investiga o caso de uma mulher que foi baleada na cabeça durante uma discussão com o ex-marido, que é sargento da Polícia Militar em Nazário (GO), no centro de Goiás. Suspeito do crime, o PM disse em depoimento que o tiro foi acidental. A família da mulher, que está internada, contesta essa versão.

"Não foi acidental. Ele já chegou espancando-a, a intenção já era atirar nela mesmo", disse a mãe da mulher, que prefere não ser identificada.

A Polícia Militar informou, em nota divulgada na segunda-feira (8), que apura o caso internamente. O G1 pediu uma posição atualizada, por e-mail, às 8h49 desta quarta-feira (10), e aguarda resposta.

A Polícia Civil não divulgou o nome do suspeito e não informou se ele tem advogado, portanto o G1 não conseguiu localizar o investigado ou a defesa dele para pedir uma posição sobre o caso.

O caso aconteceu no domingo (7). Desde então, a mulher está internada no Hospital de Urgências Governador Otávio Lage de Siqueira (Hugol), em Goiânia (GO). Segundo o delegado responsável pelo caso, Vicente Gravina, ela está consciente e pode ter alta médica nos próximos dias.

A reportagem solicitou o estado de saúde atualizado dela na manhã desta quarta-feira, às 9h58, e aguarda retorno do Hugol.

O delegado contou que o próprio sargento prestou socorro à vítima levando-a ao hospital após o disparo. Ele afirmou também que o ex-marido se apresentou à delegacia de Nazário (GO) no dia seguinte.

"A versão dele é que iniciaram uma discussão por causa de ciúmes - da parte dela - e que o disparo foi acidental. Agora vamos ouvir a vítima, testemunhas e familiares”, explicou o delegado.

A mãe da mulher baleada afirma que a relação dos dois era complicada. "Ela começou a namorar com ele aos 15 anos. Toda a vida (o relacionamento) foi conturbado, porque toda a vida ele foi agressivo. Sempre ameaça ela", disse.



Fonte: G1 GO

             
    PUBLICIDADE