Terça, 26 Outubro de 2021
PUBLICIDADE
POLÍCIA | PORTO DOS GAÚCHO
10/12/2020 - 17:05
Mulher pode responder judicialmente após dizer à polícia que mentiu sobre estupro em MT
A mulher havia relatado que na noite de 1º de dezembro foi abordada por três homens em um veículo, que pediram uma informação e logo em seguida, usando de força, a colocaram no veículo e cometeram o abuso.
O Âncora MT
Polícia Civil. / Foto: Reprodução Polícia Civil de MT.

Uma mulher de 26 anos deve responder por falsa comunicação de crime após declarar à Polícia Civil que teria sido estuprada em Porto dos Gaúchos-MT, a 663 km de Cuiabá-MT.

A mulher havia relatado que na noite de 1º de dezembro foi abordada por três homens em um veículo, que pediram uma informação e logo em seguida, usando de força, a colocaram no veículo e cometeram o abuso. Ela foi encontrada pela Polícia Militar, após pedir socorro, à beira da estrada sentido à cidade de Juara-MT, em estado de choque, e foi encaminhada ao hospital de Porto dos Gaúchos-MT.

Após ser comunicada dos fatos, a equipe da delegacia iniciou as diligências para esclarecer o crime. Os policiais foram em busca de imagens, diversas pessoas foram ouvidas, inclusive familiares dela. Um banco de imagens da delegacia foi mostrado à vítima para que fosse feito um reconhecimento de alguma pessoa. Contudo, nenhum suspeito ou testemunhas do fato foram localizadas.

Conforme o delegado João Antônio Ribeiro Torres, a narrativa da vítima à Polícia Civil não condizia com os elementos apurados. Na sexta-feira passada, ela procurou a delegacia e mudou seu depoimento, percebendo que as informações angariadas nas diligências não condiziam com o crime narrado.

"Os dados não batiam e isso já tinha chamado atenção da polícia que trabalha em várias linhas investigativas, e uma delas já era essa, de que a vítima teria inventado toda uma história. Ela acabou dizendo que o estupro não aconteceu e que na verdade se encontrou com uma pessoa, porém, de forma consentida", explicou o delegado.

O inquérito será encaminhado ao Poder Judiciário.



Fonte: G1 MT

             
    PUBLICIDADE