Domingo, 17 Outubro de 2021
PUBLICIDADE
POLÍCIA | NOVA GAMA GO
04/03/2021 - 20:43
Homem é preso suspeito de matar adolescente e deixar criança com deficiência após série de tiros contra carro
Ao todo, sete pessoas estavam no veículo quando foram surpreendidas pelos disparos, há quase seis anos. Indiciado por homicídio qualificado, ele negou ter cometido o crime.
O Âncora GO
Delegacia de Novo Gama (GO). / Foto: Reprodução/TV Anhanguera.

Um homem foi preso suspeito de matar um adolescente de 12 anos e deixar uma criança, de 10, sem o movimento de uma das pernas após ele efetuar uma série de tiros contra um carro no Novo Gama (GO), no Entorno do Distrito Federal. O crime aconteceu há seis anos. Indiciado por homicídio qualificado, ele negou ter cometido o crime.

Como o nome do suspeito não foi divulgado, o G1 não conseguiu contato com a defesa dele.

O delegado Taylon Do Nascimento Brito, responsável pelo caso, disse que o investigado, de 33 anos, era considerado foragido da Justiça e foi preso, na terça-feira (2), enquanto era interrogado na delegacia por suspeita de ter cometido outro crime na cidade.

"Ele é investigado em outros crimes de roubo. Foi intimado para comparecer e, assim que chegou, os agentes efetuaram a prisão dele", disse o delegado.

O homem foi indiciado por homicídio qualificado e está à disposição da Justiça. Até o final da tarde desta quinta-feira (4), ele continuava detido no presídio de Novo Gama.

HOMICIDIO

O crime aconteceu no dia 3 de abril de 2015. De acordo com a Polícia Civil, sete pessoas estavam em um no carro de passeio quando os criminosos atiraram. Conforme o delegado, o alvo era um dos ocupantes, mas outras pessoas também ficaram feridas.

Ao todo, quatro pessoas foram baleadas, sendo que o adolescente morreu. Segundo a Polícia Civil, dos sobreviventes, um criança ficou com sequelas, pois foi atingida com um tiro na cabeça, o que fez com que ela perdesse o movimento de uma das pernas.

As investigações apontaram que a motivação do crime foi a disputa por tráfico de drogas.

A corporação disse que outro suspeito de envolvimento no crime já havia sido preso em 2015. Como o nome dele não foi divulgado, a reportagem não conseguiu verificar com a Justiça se ele continua detido.



Fonte: G1 GO

             
    PUBLICIDADE