Domingo, 24 Outubro de 2021
PUBLICIDADE
POLÍCIA | GOIANÉSIA GO
13/11/2020 - 16:40
Entregador é condenado a quase 19 anos de prisão pela morte da filha de 1 ano, em Goianésia-GO
Menina foi assassinada com tiro na cabeça em canavial após uma discussão entre os pais. Defesa afirma que homem sofre de transtornos mentais e entrou com recurso.
O Âncora GO
Emilly, de 1 ano, que foi morta com tiro na cabeça, e pai, Marcelo Rodrigues Machado, 29, condenado pelo crime. / Foto: Reprodução TV Anhanguera

O entregador Marcelo Rodrigues Machado, de 29 anos, foi condenado a 18 anos e 8 meses de prisão por matar a filha de 1 ano, Emilly Beatriz Rodrigues de Jesus, com um tiro na cabeça em Goianésia-GO. O crime aconteceu em 7 de abril de 2017, após o homem e a mãe do bebê discutirem por causa de preparativos para o aniversário da menina, que seria comemorado no dia seguinte.

Marcelo foi julgado em Tribunal do Júri e condenado na quarta-feira (11). Advogado de Marcelo, Oneidson Filho de Jesus disse que já entrou com recurso na Justiça pedindo a redução da pena imposta na sentença. Segundo ele, à época da investigação, não foram autorizados os exames solicitados pela defesa.

“Ele padece de um mal que levou a esse desfecho. Pedimos a exumação do corpo e uma perícia cerebral para saber sobre os transtornos mentais dele. Ele toma anticonvulsivos, tem lapsos de memória, visões, ouve vozes”, disse.

Marcelo está preso desde o dia seguinte ao que atirou na filha. Segundo o delegado responsável pela investigação, Marco Antônio Zenaide Maia, a menina chegou a ser resgatada com vida, levada ao Hospital de Urgências Governador Otávio Lage de Siqueira (Hugol), em Goiânia-GO, passou por uma cirurgia, mas não resistiu.

Mesmo anos depois, o delegado disse que se lembra muito bem do caso, que a história o marcou.

“Era uma sexta-feira. Ele e a mãe da menina discutiram por causa dos preparos da festa de aniversário dela, ele pegou a filha e levou para o canavial. [...] Ela foi socorrida, passou por cirurgia, mas morreu na madrugada de sábado. Por volta do meio dia que ele se apresentou com advogado e confessou”, disse.

De acordo com o investigador, as primeiras versões apresentadas pelo pai foram muito contraditórias e não batiam com as evidências encontradas no local.

O delegado explicou que nenhuma evidência encontrada no local corroborava a versão do pai de que haveriam sequestradores. Ao confessar, o homem disse que obedeceu a vozes que ouvia no momento e que pretendia se matar em seguida, mas que não conseguiu.

Também segundo a versão colhida pela Polícia Civil, o condenado disse que atirou na menina, foi chamar a polícia, voltou ao ponto em que ela estava e notou que a menina ainda estava viva e que foi quando se arrependeu e levou-a para ser socorrida.

A arma do crime nunca foi encontrada, mas, de acordo com o depoimento do pai, foi usado um revólver calibre 22.


Fonte: G1 GO

             
    PUBLICIDADE