Domingo, 28 Novembro de 2021
PUBLICIDADE
BRASIL | CANARANA - MT
13/03/2021 - 20:39
Mesmo de "portas fechadas", fiscalização de Canarana (MT) aplica multa de 10 mil reais à empresa que realizava delivery; VEJA VÍDEO
Entregas são alternativas para empresas alimentícias que funcionam pela noite realizarem suas vendas. No momento em que a fiscalização chegou, a equipe se preparava para sair.
O Âncora MT
Empresa que foi multada com 10 mil reais por estar, supostamente, descumprindo as orientações dos decretos. / Foto: Reprodução

A Vigilância Sanitária de Canarana, município do interior do estado de Mato Grosso, aplicou uma multa de 10 mil reais à uma empresa por, supostamente, estar descumprindo os Decretos Estadual e Municipal, o que revoltou um comerciante, que discordou da atitude dos fiscais. O caso foi registrado na última quinta-feira, dia 11 de março.

"Neste dia tinham três carros parados aqui na porta, uma Strada branca do meu marido, o meu carro que é um Gol branco e um Corola cinza que é da minha mãe", informou a empresária. 

Um vídeo compartilhado nas redes sociais mostra o exato momento em que um outro empresário, revoltado, conta sobre o caso. 

"Isso é uma palhaçada com os comerciantes da cidade, não tem necessidade disso [...] trabalhando de portas fechadas, estamos passando pela porta [...] pra realizar o delivery, do mesmo jeito o pessoal do sushi tá fazendo [...] a gente se sente humilhado", afirmou. 

Em outra parte do vídeo, ele disse que em todo momento acompanhou que os funcionários saíam somente para realizar o Delivery. 

"[...] eu estava aqui fora, eu vi, hora nenhuma eles abriram a porta, aliás, abriram sim, para [...] sair pra fazer o delivery. A gente entende o momento que o país está vivendo, mas não há necessidade disso, não tem nenhum vagabundo, e sim um pai de família querendo sobreviver ". 

(VEJA O VÍDEO NO FINAL DA MATÉRIA)

A reportagem do site O Âncora entrou em contato com a proprietária do Ketsui Sushi, local onde teria acontecido o fato. Indignada, ela informou que, antes dos fiscais chegarem na empresa, eles estavam distantes tirando fotos. 

A discussão começou no instante que a Vigilância Sanitária aplicou uma multa no valor de 10 mil reais, por supostamente o estabelecimento não estar seguindo as regras dos decretos. Em uma mensagem enviada por um aplicativo de mensagens, a empresária informou à equipe O Âncora que na multa o horário destacado da aplicação seria as 21:20. 

"Ela (A fiscal) relatou na multa  que chegou no local 21:20", disse. 

Mas isso não agradou em nada a comerciante que, com fotos capturadas pelas câmeras de segurança,  mostrou com exclusividade ao jornalismo O Âncora, que a fiscalização estava "errada", e havia, no mesmo horário informado na multa, somente dois entregadores dentro do estabelecimento, sendo que uma seria a mãe da empresária. A data do vídeo, mês 03, dia 11de 2021, as 21h20min e 12 segundos.

Pedimos uma cópia da multa aplicada, mas, segundo a proprietária do estabelecimento, o documento estaria com o advogado. 

Questionada, ela disse que teria deixado as portas destrancadas somente por um motivo, para os funcionários entrarem e saírem para entregas.

"Abrimos sim para entrada e saída da minha mãe e do funcionário que entregam os pedidos. Estava trabalhando desde as 18h00min com as portas fechadas, mesmo podendo e tendo a opção de poder abrir e receber clientes presenciais ate as 20h00min optei por não fazer isso, para não ter que ficar pressionando as pessoas para saírem do local antes do horário permitido, isso foi uma opção minha, não abrir para o publico, mesmo podendo ate as 20h00min. Abrimos e fechamos a porta da frente muitas vezes para sair do local com as embalagens, sempre com o cuidado de fechar, de abrir, de fechar e de abrir", afirmou.

Ela destacou a suspeita da aplicação da multa de 10 mil reais. 

"Essa fresta na porta talvez seja o motivo de me aplicar 10 mil. Ou deve ter filmado o movimento dos funcionários". 

O site O Âncora buscou contato com a Secretaria responsável pela Vigilância Sanitária, para saber a versão da instituição que, por um aplicativo de mensagens repassou as seguintes informações:

"Estamos apurando todos os fatos, e todas a multas aplicadas em CNPJ ou CPF tem o direito de recorrer. E neste momento estamos cumprindo um Decreto Estadual e Municipal, trabalhando em parceria, nós com a Polícia Militar e Civil", afirmou. 

             
    PUBLICIDADE