Domingo, 17 Outubro de 2021
PUBLICIDADE
BRASIL | DESVIO DINHEIRO
22/08/2020 - 16:56
Defesa nega que Padre Robson tenha desviado dinheiro de fiéis
"Negócios foram feitos para a Afipe gerar lucro e continuar fazendo o que ela faz: evangelização", afirma Pedro Paulo de Medeiros.
O Âncora GO
Padre Robson Monteiro celebrando a missa na Basílica. / Foto: Reprodução Afipe

“Nenhum valor de fiéis foi desviado.” É o que garante Pedro Paulo de Medeiros, advogado do padre Robson, investigado na Operação Vendilhões, deflagrada nesta sexta-feira (21/08). Segundo ele, todas os valores foram aplicados na e pela Associação Filhos do Pai Eterno (Afipe) e as negociações foram legais e contabilizadas.

“Os negócios foram feitos para a Afipe gerar lucro e continuar fazendo o que ela faz: são compras e vendas de ativos para a evangelização.” Segundo ele, se o padre Robson tivesse sido chamado antes para depor, tudo seria explicado. “Mas mandaram a polícia, primeiro.”

Questionado sobre os funcionários da Afipe que são ou foram sócios de empresas de comunicação, como Celestina Celis Bueno e Anderson Reiner Fernandes, ele diz que, na prática estas pertencem a Afipe. Que os nomes, estão ali por questão de regulamentação. Vale destacar o que empresário Onivaldo Oliveira Cabriny Costa Júnior, o vice-prefeito de Trindade Gleysson Cabriny de Almeida Costa também fazem parte da sociedade de uma destas empresas. Sobre isso, o advogado diz que aguarda os detalhes da processo para responder a cada questão.

Contudo, ele reforça que estas empresas pertencem a Afipe, assim como Sul Brasil, que teria como sócios Ademar Euclides Monteiro e Marcos Antonio Alberti. Pedro Paulo revela que esta é a atual TV Pai Eterno, que foi negociada por meio de transações imobiliárias. A Afipe teria adiantado, em 2016, conforme notas explicativas de 2018, R$ 67,406 milhões a Sul Brasil.

“As negociações foram feitas para a compra da TV, para construção da Basílica. O padre Robson nunca se apropriou de qualquer real de fiel. Todas as movimentações são declaradas”, reforça.

VALOR DA TRANSAÇÃO

Em 2016, a Afipe adquiriu a Fazenda Serenta e Monjolinho, da Agropecuária Nova e Eterna Aliança Ltda. por R$ 6,308 milhões. Três anos depois, vendeu o imóvel para Terra Nobre pelo mesmo valor. Isso teria ocorrido em outras ocasiões.

De acordo com Paulo, essa situação não é tão simples. Envolvem questões de contabilidade e tributária. “Várias coisas incidem. O mais importante é que a venda foi comunicada pela própria Afipe, não houve desvio.”


Por Mais Goiás

             
    PUBLICIDADE